Voltar para página inicial

  1. Introdução à tragédia grega: Prof. Dr. Eduardo da Silva Freitas (UFLA).

O minicurso tratará da Tragédia Grega e abordará tanto suas características estilístico-formais quanto o contexto sócio cultural em que existiu. Tratar-se-á do conceito de Tragédia, das representações de heróis, do arcabouço mítico e lendário de que se servem as peças e do evento cívico que as encenações se inseriam. Os comentários serão baseados na peça Édipo Rei, de Sófocles, considerada por Aristóteles a mais bem acaba realização no gênero. 

  1. Revisão de textos: teoria e prática: Profa. Dra. Helena Maria Ferreira (UFLA).

Estudo e discussão de concepções teórico-metodológicas, que embasam o ensino de escrita no contexto escolar. Estudo e discussão dos usos e das funções sociais da escrita e suas implicações teórico-metodológicas para o ensino da escrita. Estudo das práticas discursivas de escrita e a constituição da autoria. Estudo e discussão das etapas de produção textual: planejamento, escrita propriamente dita, revisão e reescrita. Estratégias de revisão de produções textuais.

  1. Literatura e oralidade: de griots e mulheres: Profa. Dra. Eliane Gonçalves da Costa (UNESP).

Estabelecer um elo entre literatura e oralidade tomando o papel do griot e das contadoras e contadores de histórias como fonte para analisar as literaturas de língua portuguesa africanas e brasileira.

  • Explicar o papel do griot africano e das contadoras e contadores de como artistas da memória.

  • Ensinar técnicas de contação de histórias.

  • Pensar a literatura e os gêneros orais na escola de educação básica.

  1. Title: Food for Thought: Trends in Food and Agriculture in the United States: Anna Stehle (CAPES/Fulbright).

The United States is often described as a mixing pot of cultures and traditions. As immigrants settle around the country, their heritage is preserved through culinary traditions, which often create unique regional identities. In this presentation I will introduce four culinary regions. These include Asian-fusion on the West coast, Tex-Mex in the Southwest, Creole in the Southeast and Italian food on the East coast. By exploring each area through culinary tradition I hope to demonstrate the rich history and diversity within the United States.

After discussing culinary culture I would like to present growing trends in food production. Regardless of ethnic and regional influence consumers are paying more attention to how food is grown and where it is produced. ‘Buy local’ and ‘Buy organic’ trends are influencing how people buy their groceries and are creating more questions about the methods and ethics of conventional (uses pesticides, fertilizers, GMO’s, etc.) farming. In response, conventional farmers are using social media to exchange information and are using careful language to describe their production techniques. Through discussions, photos and activities I hope to use this opportunity to interact with students and start a dialogue about food culture and agricultural trends in the United States and Brazil.

(Minicurso ministrado em língua inglesa)

 

  1. Title: Current youth culture and subculture in the United States: Carla Hinson (CAPES/Fulbright).

This workshop will cover current cultural themes in the United States and offer a comparison between major issues in the U.S. and Brazil. This will be an examination of culture through a variety of themes and outlets including fashion, music, politics, and language. Brazilians are exposed to various topics in American Culture (movies and music for example), which makes this topic both interesting and more easily understood since many students will have a base understanding. By focusing on subculture, we will be sure to go beyond that which is commonly broadcasted about the United States and also put cultural themes into a greater context.

Fashion and music associated with the current counter culture known as the ‘Hipster’ movement will be explored. This is a phenomenon in the United States and Europe where urban youth live a contemporary lifestyle that values thrift store clothing, independent music, progressive politics, and organic foods. We will also discuss ‘Occupy Wall Street’ a protest movement during 2012 that aimed to draw attention to the growing gap between the upper and middle classes in the United States and compare the movement to various protests and sentiments in Brazil. Attention will be drawn to other current discussions in the media such as lesbian, gay, bisexual, and transgender rights (LGBT) and the progress of these issues. The presentation will be interactive through the use of short videos, pictures, slang expressions, and music. Participants will also be encouraged to take part in an activity to accompany the presentation.

(Minicurso ministrado em língua inglesa)

  1. Um passeio pela Renascença no Harlem: Profa. Dra. Isabel Cristina Rodrigues Ferreira (UFLA).

A Renascença do Harlem foi um movimento cultural afro-americano das décadas de 20 e 30 do século XX, e nasceu no Harlem na cidade de New York. Ela não tinha uma ideologia política ou estilo literário comum; o ponto de união dos seus participantes era a consciência de estar fazendo parte de um movimento que pretendia dar expressão artística à experiência afro-americana. Existiam temas comuns, mas o aspecto mais marcante foi a diversidade de sua expressão: literatura, dança, música, pintura e teatro. Além das produções e manifestações culturais, esse movimento também foi expressivo na luta político-social dos negros. Pretende-se, portanto, durante esse minicurso, mostrar o trabalho de alguns dos artistas participantes da Renascença do Harlem, bem como, uma breve contextualização histórica do período.

Referências Bibliográficas:

Aberjhani, and Sandra L. West. Encyclopedia of the Harlem Renaissance. New York: Facts on File, 2003.

Bernier, Celeste-Marie. African American Visual Arts: From Slavery to the Present. Chapel Hill: U of North Carolina P, 2009.

Lewis, David L., ed. The Portable Harlem Renaissance Reader. New York: Viking, 1994.

  1. Introdução aos estudos literários pós-coloniais em Língua Inglesa: Prof. Dr. Luiz Manoel da Silva Oliveira (UFSJ)

Com o presente minicurso, pretende-se proporcionar uma visão panorâmica do cruzamento das teorias pós-coloniais contemporâneas com os estudos literários pós-modernos em língua inglesa. Para tanto, intenta-se inicialmente partir das considerações acerca do conceito restritivo e elitista de cultura de que os estudos acadêmicos, as manifestações artísticas e a literatura estavam comumente imbuídos no século XIX, tendo advindo daí a concepção excessivamente beletrista que dominou os cenários literários daquele século. Nesse percurso, também se enfocará o desdobramento que esse processo sofreu com os Estudos Culturais tendo se tornado a disciplina acadêmica que passou a problematizar as noções de cultura, como culminância de mudanças começadas no período posterior à Segunda Guerra Mundial. A partir da década de 1960, com o advento do Pós-Modernismo, do Pós-Colonialismo, dos movimentos feministas e das minorias sexuais e étnicas, novas questões entram em cena, tais como as de gênero, raça, etnia, identidade, religião, política e diáspora, dentre outras, que causaram uma revolução nas formas de pensar, de ver o mundo e de interpretar todos os níveis de realidade. Descontroem-se, então, a antiga noção iluminista do sujeito e o status de autoridade das “grandes narrativas”. Nesse sentido, lançaremos mão das contribuições teóricas de autores como Gayatri Spivak, Homi Bhaba, Edward Said, Leela Gandhi, e de algumas exemplificações ficcionais.

  1. O trabalho com a literatura em sala de aula: Prof. Vinícius Macedo Teodoro (Fapemig/ CNPq) e Sarah Vivas Santiago (Fapemig/ CNPq)

Nos tempos atuais, percebe-se uma preocupante desvalorização da literatura nas salas de aula. Por um lado, a maioria das instituições escolares não possui a literatura como disciplina em seu currículo, deixando-a apenas como conteúdo de Língua Portuguesa. E, por outro, a abordagem do texto literário nem sempre privilegia as características específicas desse gênero estético. Muitas vezes, basicamente, o texto literário é usado como pretexto para conteúdos linguísticos. Todos esses fatores criam uma defasagem nos objetivos do ensino de literatura definidos pelos parâmetros curriculares oficiais. Este minicurso visa refletir sobre a relação entre as teorias e as práticas que envolvem o ensino da literatura na educação básica.

  1. Introdução à leitura do Tractatus Logico-Philosophicus, de Ludwig Wittgenstein: as primeiras proposições. Profa. Dra. Léa Carneiro Silveira (UFLA)

 

O objetivo do minicurso é fornecer alguns elementos para a leitura das proposições que constituem o início da obra mencionada. Abordaremos, portanto, a seguinte questão no contexto da filosofia do primeiro Wittgenstein: dada a linguagem, o que deve ser o mundo? Dito de outro modo: o foco residirá na ontologia suposta à linguagem em seu aspecto lógico. Recomenda-se a leitura de dois textos para o melhor aproveitamento do curso:

  1. CUTER, J. V. G. “Você entendeu este título?”. In: Vinícius de Figueiredo. (Org.). Filósofos na Sala de Aula – volume 3. São Paulo: Berlendis & Vertecchia, 2008, p. 158-201.

  2. WITTGENSTEIN, L. Tractatus logico-philosophicus. São Paulo: EDUSP, 1993. (pp. 131-147).

Ambos os textos estão disponíveis na biblioteca e também na pasta da disciplina “Filosofia da linguagem”, para fotocópia.

  1. Avaliação da produção de textos escolares: no papel e na tela do computador. Profa. Dra. Lílian Ghiuro Passarelli (PUC-SP)

Considerando o processo da escrita como ponto de partida para o ensino da produção textual, apresentam-se reflexões de natureza teórica e metodológica sobre critérios de correção, de modo a orientar mais substancialmente o olhar do professor-corretor e, como decorrência, minimizar a subjetividade inerente ao processo de correção de textos em papel ou na tela do computador.

Voltar para página inicial